HOME | CRONOGRAMA | SEMINÁRIOS | BIBLIOGRAFIA | BASED ON | OBJETO | APROPRIAÇÃO | INSTALAÇÃO | INTERVENÇÃO | CONTATO | CRÉDITOS
     
   
     
 
CHRISTO JAVACHEFF
Por Ana Maria Masson Furlan
[Turma 2008.2]
 
     
 

Christo Javacheff nasceu em uma família industrial na Bulgária, no dia 13 de Junho de 1935. O artista freqüentou as Academias de Belas-Artes de Sofia e Viena partindo para Paris em 1958 devido à Revolução Comunista, quando vendia desenhos meramente comerciais para sobreviver. Lá, Christo adere ao movimento “Nouveaux Realistes” (Realismo Francês), unindo-se ao grupo KWY, constituído pelos portugueses Lourdes Castro, René Bertholo, Gonçalo Duarte, João Vieira, Costa Pinheiro, José Escada, e pelo alemão Jan Voss.

Em 1960, o grupo KWY realiza na Sociedade Nacional de Belas Artes (SNBA) uma exposição de reação à cultura nacional marcando o início de uma plurivocidade artística. Dessa maneira, o grupo abre as portas para a renovação e a equação de determinadas questões estéticas que substituem a questão “Isto é belo?” por “Isso é arte?”.

Christo se casa com a francesa Jeanne-Claude, nascida em Casablanca, curiosamente no dia 13 de Junho de 1935, mesma data de seu nascimento. Com ela tem seu único filho, agora poeta Cyril Christo, nascido em dia 11 de Maio de 1960.

Em 1964 partem para Nova York (EUA), onde residem até hoje. Christo e Jeanne-Claude tornam-se famosos no domínio da chamada “arte efêmera”, através de grandiosas e controversas intervenções que modificam por completo a percepção habitual de um objeto, monumento ou trecho de paisagem, seja ela urbana ou natural.

Suas obras mais conhecidas são os “embrulhos” ou “pacotes” de objetos para os quais os artistas utilizam papel, vidro, plástico ou lona, além de barris de petróleo vazios. Da pequena dimensão (uma revista Times, um telefone, etc) para as grandes escalas, Christo é responsável por projetos tão polêmicos quanto bem vindos. O projeto de empacotamento do Parlamento Alemão (Wrapped Reichstag, 1993) levou algumas décadas para ser aprovado em sessão plenária. Outros são sutis como Wrapped Walk Ways realizado no Loose Park em Kansas City, 1977-1978 e rapidamente puderam ser efetuados pelos artistas.

Christo sente-se motivado desde cedo pelos empacotamentos.  O ato de embrulhar revela as formas essenciais dos elementos constituintes do espaço através do revestimento de objetos que são reconhecidos ainda facilmente, mesmo com sua outra “pele”. É a vontade de esconder e transformar objetos fortemente ancorados no imaginário do público por meio da colocação de uma espécie de véu que lhes dá uma qualidade algo irreal.

Todas as estruturas e todos os materiais usados nos projetos são desmontados e retirados depois de duas semanas de sua instalação no site. Nenhuma marca permanece de sua existência no local onde, a princípio, foram inseridos. Seus projetos realizados são perpetuados apenas por registros fotográficos ou vídeográficos que estendem sua presença no tempo.

Todos os trabalhos dessa dupla de artistas têm como eixo condutor o fato de serem temporários, convidando o público a participar de uma experiência artística dinâmica, momentânea, finita, livre e gratuita. A partir desse pressuposto, observamos a ligação com uma forma de arte mais relacionada ao ambiente, linguagem panoramicamente reconhecida pelo titulo de Land Art que apresenta Christo como um de seus representantes mais destacados, ao lado de R. Smithson, M. Heizer e R. Long.

É importante aqui destacar a qualidade da Land Art como criação artística que utiliza como suporte, tema ou meio de expressão, o espaço exterior da paisagem. Quase todas elas são efêmeras e se ligam intimamente à paisagem para e na qual foram criadas.

A partir do final da década de 1960 torna-se freqüente a adesão de muitos artistas a projetos que procuram a natureza para o desenvolvimento de suas obras. Ligada à preocupação cultural recorrente nesse período (décadas de 1960/70) em ultrapassar as limitações dos espaços tradicionais das galerias recusando a economia do Minimalismo assim como o sentido comercial e mercantilista que a produção artística assumia nesta década, a Land Art vai permitir a adesão de múltiplos olhares para a paisagem. Nesse sentido, no começo de seu trabalho, em meados da década de 1970, Christo encontra como melhor resposta para a questão comercial distinguir a intervenção que não pode ser comercializada nos termos conhecidos pelo sistema até ali. Um dos seus trabalhos mais importantes que reordena, temporariamente, a paisagem é Valley Curtain (1970-72).

O grande objetivo de suas intervenções é levar as pessoas a considerar aquilo que para elas se tornou apático e irrelevante devido à rotina, ao cotidiano,que empacotado temporariamente surpreende, desloca e reconstrói o olhar.

Os custos da concepção e da montagem de todos os projetos ficam sempre a cargo dos próprios artistas que viabilizam as intervenções por meio de uma Fundação administrada por Jeanne-Claude (CVJ- Christo Vladimiroff Javacheff). A dupla arrecada fundos com a venda, a preço de obra de arte, da fase que o artista intitula Fase de Hardware (desenhos, fotografias, mapas, maquetes, etc) preparatórios dos projetos a serem executados posteriormente (Fase de Software). A dupla de artistas não aceita nenhum tipo de subsídios ou patrocínios.
Em 2007, Christo Javacheff anunciou um novo projeto a ser executado apenas em 2011: a idéia inicial é dispor oito segmentos e tecido translúcido sobre o rio Arkansas, que fica entre as cidades de Cânon e Salida. No total, serão 7 milhas de lona que permanecerão instalados no local durante quatorze dias, entre Julho e Agosto daquele ano.

Voltar ao índice dos seminários.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHRISTO e Jeane-Claude. Site oficial dos artistas.
Disponível em:
www.christojeanneclaude.net.
Acessado em: 02.11.2008.

BAAL-TESHUVA, J.Christo & Jeanne-Claude. Nova York: Ed. Tashen, 1995.

CHRISTO Javacheff. Meus Estudos.com./Artes Plasticas. Biografias.
Disponível em:
www.meusestudos.com.
Acessado em: 02.11.2008.

CHRISTO Javacheff. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2008. Disponível em:
www.infopedia.pt
Acessado em: 14.11.208.

 

 
 

Wrapped Walk Ways. Loose Park. Kansas, 1977-78.

   
 
 

Arkansas River. Colagem, 2007.

   
 
 

Valey Curtain, 1970-72.

   

 
2008 Direitos Reservados - Departamento de Artes Plásticas - IA/UNICAMP
       
Departamento de Artes Plásticas Portal do Instituto de Artes - Unicamp Portal da Unicamp