Este texto é parte integrante de um projeto de pesquisa desenvolvido em 1997 por Luiz Rodrigues Monteiro Júnior sobre a história dos palhaços brasileiros, através de Bolsa de Pesquisa do Prêmio Estímulo "Memória da Atividade Circense no Brasil", e publicado pelo DACH – Departamento de Artes e Ciências Humanas da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

O MESTRE ROGER AVANZI – PALHAÇO PICOLINO

O Circo Nerino é onde Roger Avanzi vai nascer e onde irá aprender a ser um artista. Seu nascimento data de 7 de novembro de 1922 e, até o fim do circo, em 13 de setembro de 1964, Roger dedica-se a ele integralmente durante 52 anos.

Nerino Avanzi, pai do Roger Avanzi, representa a primeira geração circense da Família Avanzi. Era filho de italianos que vieram ao Brasil em uma companhia de ópera. A avó de Roger veio para o Brasil grávida e excursionou com a companhia pelas principais cidades do país. Na hora de partir de volta à Itália, a criança estava às vésperas do nascimento e o casal, receando os perigos de uma viagem tão longa, decidiram permanecer no Brasil, na cidade de São Paulo. A prefeitura da cidade deu estadia e empregou-os como zeladores do Teatro Polytheana, um teatro todo de zinco no Vale do Anhangabaú. Comenta emocionado, sobre seu pai:

“ eles ficaram morando debaixo do palco e foi ali que meu pai nasceu e ele falava que foi na Itália e nasceu no Brasil, por isso era ‘contrabando’. Ali ele foi crescendo e conhecia muitas óperas, pois as grandes óperas ficavam em cartaz no teatro, só que ele se assustava com os agudos dos grandes cantores”.*

Dez anos após a estréia do circo, nasce Roger Avanzi, na mesma cidade onde seus pais haviam se casado. Roger nasceu no ano da Semana da Arte Moderna, quando Piolim foi homenageado pelos modernistas, como artista popular. Ele concorda que a Semana da Arte Moderna foi importante devido a repercussão que teve, apesar de não estar lá ainda, pois nasceu pouco depois.

Roger estreou no circo em 1923 como bebê de colo, da comédia pastelão. Era uma comédia em que se ficava discutindo de quem era o bebê, e esse era o Roger.

Outro caso fez com que Roger que fazia pontas em dramas, fizesse um papel central; um dos artistas que fazia o papel principal, fugiu do circo. Era época de Natal e ele tinha mais ou menos 14 anos, quando passou a representar papéis de ator, protagonista dos dramas e das comédias de pastelão.

Roger diz que não tinha muito jeito para ser palhaço. Herdou do seu pai a técnica circense que tem hoje, o seu nome.

Nerino, pai de Roger, não gostava muito de teatro e quando criança, já fazia “cirquinho”, à luz de velas roubadas do cemitério. Essas apresentações eram nos grandes jardins das mansões no Anhangabaú. Nessa época tinham muitos circos estrangeiros pela cidade de São Paulo e Nerino terminou saindo com um circo e na sua primeira estréia como palhaço, na cidade de Limeira, ficou envergonhado e saiu correndo. Os estudantes foram atrás dele pelas ruas. Esta é mais uma parte que Roger comenta emocionado.

Iniciado no circo, Nerino começou a fazer muito sucesso como clown de seu irmão Felipe, o Palhaço Maluco que eram a melhor dupla do Brasil, comenta Roger. Nesse sucesso a dupla, mais ou menos em 1910 foi até a Argentina com o circo

A mãe de Roger era uma francesa da quinta geração circense: ‘Roger é da segunda geração por parte de pai e da sexta geração por parte de mãe’. O circo excursionava pela Europa, quando um acidente matou todos os cavalos; ‘uma época onde era chamado Circo de Cavalinhos’, pois os cavalos faziam parte do espetáculo e também transportavam o circo. Isso fez com que o circo parasse e Armandine, mãe de Roger, que tinha um número muito bom com sua irmã Nerris, começasse uma outra apresentação pelos cassinos de outros países europeus; ‘era um show em que Armandine fazia acrobacias, pendurada pelos cabelos de Nerris’. Vieram para a Argentina na mesma época que o Srº Nerino se encontrava neste país. Ele viu em um cartaz a foto de Armandine e falou que ia se casar com ela, mas nunca poderia ir ao espetáculo, pois trabalhava no mesmo horário do show.

Quando estava no Brasil, o circo excursionou pelo interior de São Paulo; nesta época Armandine estava contratada em um cassino de São Paulo, daí as francesas foram convidadas para participarem no mesmo circo que trabalhava o Srº Nerino. Eles se conhecem e mais tarde se casam em São José do Rio Preto, cidade interior paulista. Nascendo o Roger Avanzi – Palhaço Picolino, hoje ainda atuando como palhaço aos 85 anos de idade, morando na cidade de São Paulo.

*Depoimento colhido pelo pesquisador na casa do Srº Roger Avanzi em 1989.

FISIONOMIA E COMPOSIÇÃO DO PALHAÇO PICOLINO

Seu estilo é bastante tradicional e todo o seu instrumental foi baseado na construção do seu pai -  Palhaço Picolino I: usava casaca grande preta, colarinho grande, calça com suspensório, chapéu coco e sapatos longos.

página Palhaços Brasileiros página de Luiz Monteiro Jr. Instituto de Artes