II Encontro de Educação Musical do Instituto de Artes

 Programação | Inscrições | Infraestrutura | início 

PROGRAMAÇÃO

Horários

Quarta – 04/11/2009

Quinta – 05/11/2009

Sexta – 06/11/2009

08-09h

Abertura do evento

Exposição de painéis

Exposição de painés

9-12h

Mesa 1: “Os cursos superiores de Música e a extensão universitária”

 

Mediadora: Ms. Adriana Mendes

Prof. Dr. Ms. Glauber Lúcio Alves Santiago (UFSCAR)

Prof. Dr. Giacomo Bartoloni (UNESP)

Prof. Dr. Mohamed Habib (UNICAMP)

Mesa 2:As contribuições das pesquisas acadêmicas para o desenvolvimento da educação musical”.

Mediador: Dr Jorge Schoroeder.

Profa. Dra. Silvia Nassif. (USP-RP)

Profa. Dra. Vanda Freire (UFRJ)

Dra. Marisa Fonterrada (UNESP)

Mesa 3: “Os estágios pedagógicos como forma de integração entre ensino, pesquisa e extensão”.

Mediador: Ms. Adriana Mendes.

Profa. Dra. Ilza Zenker Leme Joly (UFSCar)

Profa. Dra. Viviane Beineke (UDESC)

14-18h

Oficina 1: “Método Suzuki” – Shinobu Sato

Oficina 2: Composição de músicas infantis” – Margareth Darezzo

Oficina 3:Vivência em Musicoterapia” - Diogo Camargo

Oficina 4: A Musicalização de 0 à 2 anos’ – Luciana Nagumo 

Oficina 5: Método Orff” – Enny Parejo"

Oficina 6: “Estratégia de ensino para coro infantil e desenvolvimento de coral cênico infantil” - Silmara Drezza

Oficina 7: Lenga la Lenga: Jogos de mãos e copos para o ensino de música” – Viviane Beineke

Oficina 8: “Integração de Linguagens  - Teatro e Música” -  Gisele de Azevedo e Chico Lú"

Oficina 9: : “O papel do professor artista na iniciação à dança teatro” - Daniela Bozzo e Priscilla Vilas Boas

Mesas:


Mesa 1: "Os cursos superiores de música e a extensão universitária"

Sinopse: A mesa tem o objetivo de propor uma reflexão panorâmica e crítica sobre o papel dos cursos de música no desenvolvimento da extensão dentro da universidade, explicitando a relação dos Institutos e faculdades de música com a comunidade interna e externa a universidade. Pretende ainda discutir como atividades de extensão podem influenciar diretamente a qualidade dos cursos de graduação oferecidos pelas universidades.

Mediadora:

Adriana do Nascimento Araújo Mendes
Bacharel em Piano pela UFRJ (1987) e Mestre em Música pela SYRACUSE UNIVERSITY / E.U.A. (1991), onde atuou como pianista e camerista. Tem ministrado aulas e oficinas na área de Arte-educação no Ensino Fundamental de escolas de ensino regular, em escolas especializadas de música e em universidades. Apresenta-se com grupos infantis e corais. Ministrou as disciplinas Pedagogia e Didática Musical I e II (1996 e 1997) na UNICAMP. Foi professora do projeto Teia do Saber da UNICAMP em 2005, 2006 e 2007. É membro da ABEM (Associação Brasileira de Educação Musical), ANPPOM (Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música), ANPED (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação) e FLADEM (Fórum Latino-americano de Educação Musical) e vem participando de Congressos apresentando trabalhos relacionados às áreas de Música, Educação e Arte. Foi integrante do LABORARTE de 1995 a 2001 (Laboratório de pesquisa sobre ensino de Arte da Faculdade de Educação /UNICAMP), quando escreveu um capítulo do livro "Ensino de Artes- construíndo caminhos", em parceria com Glória Cunha Sonora/ UNICAMP.

Participantes:

Giacomo Bartoloni
possui mestrado em Música pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995) e doutorado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000). Desde 1987 é professor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Instrumentação Musical, atuando principalmente nos seguintes temas: violão, recital, avaliação, parecer e música de câmara.

Mohamed Ezz El-Din Mostafa Habib
Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade de Alexandria (1964), modalidade Entomologia, mestrado em Entomologia (Controle Biológico) pela Universidade de Alexandria (1968), Egito, e doutorado em Ciências Biológicas (Entomologia) pela UNICAMP (1976), Livre Docente pela UNICAMP (l982), Professor Adjunto em 1984 e Professor Titular da UNICAMP desde 1986. Atua nas áreas de Ecologia Aplicado, Entomologia Econômica, pragas agrícolas e de alimentos armazenados, educação ambiental, indicadores de sustentabilidade, controle biológico, patologia de insetos e Agro-Ecologia. Foi Diretor eleito do Instituto de Biologia da UNICAMP por duas vezes e Coordenador de Relações Internacionais da UNICAMP. Desde 2005 é Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da UNICAMP.

Glauber Lúcio Alves Santiago
Possui graduação em Bacharelado Em Direito pela Faculdade de Direito de São Carlos (1997), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (2002) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (2006). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de São Carlos. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Composição Musical, atuando principalmente nos seguintes temas: educação musical e educação a distância, educação musical, música, licenciatura em música e educação e práticas sociais.

Mesa 2: "As contribuições das pesquisas acadêmicas para o desenvolvimento da educação musical".
Sinopse: A mesa pretende discutir como as pesquisas produzidas na universidade contribuíram e contribuem para o desenvolvimento da educação musical como área de atuação, e como essas pesquisas influenciam no surgimento de novas teorias, práticas e políticas para a área.

Mediador:

Jorge Luiz Schroeder
Bacharel em Composição, Mestre e Doutor em Educação todos pela Unicamp. Professor do Programa de Pós-Graduação em Artes (Instituto de Artes - Unicamp) e Profissional de Pesquisa do Instituto de Artes. Pesquisador do Laborarte (Laboratório de Estudos sobre Arte, Corpo e Educação) e coordenador do Musilinc (Grupo de Pesquisa em Música, Linguagem e Cultura). Tem atuado em programas de Capacitação e de Formação Continuada da Prefeitura de Campinas (2006, 2007, 2009) e de Salto (2008). Participou como professor presencial do Teia do Saber (2005) e do Curso de Especialização em Gestão Escolar (2006-2007), programas da Faculdade de Educação da Unicamp. Trabalha com música na formação dos alunos dos cursos de graduação em dança, teatro e pedagogia. Atualmente participa do projeto de pesquisa "A música e a criança: uma investigação no espaço escolar da Educação Infantil", com a Profª. Drª Silvia Nassif Schroeder e do projeto "Corporalidade musical na canção popular: um estudo de caso".
.

Participantes:

Vanda Lima Bellard Freire
Possui Graduação em Composição e Regência pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), Graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1967), Graduação em Piano , pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1968), Mestrado em Filosofia da Educação pela Fundação Getúlio Vargas - RJ (1980) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992). Realizou no período 2004/2005 Estágio Pós-Doutoral na área de Musicologia Histórica, na Universidade Nova de Lisboa, tendo o Dr. Mário Vieira de Carvalho como pesquisador colaborador. Atualmente é Professora Associada na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Presidiu a Associação Brasileira de Educação Musical(ABEM) no período 1996-2001. Atuou como membro do Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, de 1997 a 2006. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em História da Música, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Musical, História da Música no Brasil, Música e Cultura, Musica Brasileira e Ensino de Música. Atua como pesquisadora do CNPq desde 1994, na área de Musicologia Histórica. Tem trabalhos publicados nas áreas de Musicologia Histórica e Educação Musical.

Silvia Cordeiro Nassif Schroeder
Graduada em Letras e Música pela UNICAMP, possui doutorado em Educação, também pela UNICAMP, no qual desenvolveu pesquisa sobre fundamentos epistemológicos da educação musical. Participou de diversos projetos de extensão oferecidos pela Faculdade de Educação da UNICAMP, atuando tanto em cursos de capacitação quanto de especialização para professores da rede pública de ensino de Campinas. Desde 2007 é docente da Universidade de São Paulo, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, onde leciona disciplinas da área de formação estética de professores de educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental e coordena um grupo de estudos em educação musical. Pesquisadora convidada do Laboratório de Estudos sobre Arte, Corpo e Educação (LABORARTE) e coordenadora do grupo de pesquisa Música, Linguagem e Cultura, atua nas linhas de pesquisa Música e Educação e Música e Linguagens. Tem diversas publicações na área de educação musical, que incluem artigos em periódicos e anais de congressos e capítulos de livros.

Marisa Trench de Oliveira Fonterrada
Tem graduação em Música (Bacharelado) pela Universidade São Judas Tadeu (1977), mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991), doutorado em Antropologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996) e é Professor Livre-Docente em Técnicas de Musicalização pelo Instituto de Artes da UNESP. Atualmente é aposentado do Instituto de Artes da UNESP, trabalhando como voluntária no Programa de Pós-graduação em Música - Mestrado e Doutorado. Coordenadora da ETEC de Artes do Centro de Educação Tecnológica "Paula Souza", da Secretaria de Estado do Desenvolvimento de São Paulo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Música, atuando principalmente nos seguintes temas: educação musical, música, canto coral, ecologia acústica e a disciplina Artes no ensino fundamental, médio e superior

Mesa 3: "Os estágios pedagógicos como forma de integração entre ensino, pesquisa e extensão".
Sinopse: Com o surgimento dos cursos de Licenciatura em Música, surge também a necessidade de se criar espaços para que os alunos possam fazer os estágios facultativos e obrigatórios para a formação do Licenciado. A mesa pretende discutir em que medida a criação de espaços de estágio artístico / pedagógicos podem vir a se tornar importantes projetos de extensão e ao mesmo tempo um vasto campo para o florescimento de pesquisas na área da educação musical, favorecendo o diálogo entre as três áreas de atuação da universidade.

Mediadora:
Adriana do Nascimento Araújo Mendes

Participantes:

Ilza Zenker Leme Joly
É graduada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, possui mestrado em Educação Especial, com a temática Aplicação de procedimentos de musicalização para crianças com necessidades especiais , e doutorado em Educação, na área de Metodologia de Ensino, com tema voltado para formação do educador musical. Foi fundadora do Curso de Licenciatura em Música com habilitação em Educação Musical, tendo sido também uma das autoras do projeto pedagógico do curso. Atuou com coordenadora do Curso de Música entre 2003 e 2005, e atualmente professora de diversas disciplinas da referida graduação. Atua também como professora do curso de Pós-Graduação em Educação (área de Metodologia de Ensino), orientando alunos de mestrado e doutorado na linha de pesquisa Práticas Sociais e Processos Educativos . Participa como pesquisadora do grupo de pesquisa em Práticas Sociais e Processos Educativos , e é líder do grupo de pesquisa Educação Musical, Cultura e Comunidade . É fundadora, coordenadora e regente da Orquestra Experimental da UFSCar, da Pequena Orquestra da UFSCar, da Camerata Vivace e da Orquestra Projesc. Coordena também o programa de extensão Educação Musical na UFSCar , com projetos voltados para a formação para a cidadania nas comunidades de São Carlos, Leme e região. Alguns desses projetos envolvem prática musical em orquestra, corais e música no hospital. Tem publicado na área de educação musical no Brasil e exterior, tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Musical, atuando principalmente nos seguintes temas: educação musical, música, música instrumental, educação, cultura, comunidade e formação de professores.

Viviane Beineke
Mestre e Doutora em Educação Musical pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora no Curso de Licenciatura em Música da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Autora da coleção "Canções do mundo para tocar", com arranjos para grupo instrumental e do livro/CD/CD-Rom "Lenga la lenga: jogos de mãos e copos". Criou e implementou o Programa NEM – Núcleo de Educação Musical (www.ceart.udesc.br/nem) da UDESC, um programa que visa a criação de espaços para a educação musical e a formação de professores para a escola pública. Desde 2001 coordena projetos de produção de material didático para o ensino de música na escola, oficinas de música e cursos de formação de professores. Tem artigos publicados em importantes revistas nacionais da área de música, além de trabalhos e workshops apresentados em congressos nacionais e internacionais.


Oficinas:
Quarta - 04/11
"Método Suzuki" - 30 vagas

Fornecer aos professores material e idéias de caráter didático através do método Suzuki que lhes possibilitem dar aulas interessantes, estimulando assim seus alunos a aprender e tocar um instrumento musical. O método Suzuki é baseado no aprendizado da sua língua mãe, que parte do princípio que todas as crianças falam sua língua mãe. As crianças aprendem a falar ouvindo as pessoas que as rodeiam falando sua língua diariamente. Elas dominam uma língua complicada rapidamente pois aos 3 anos já estão se comunicando bem com as pessoas. O Suzuki, que era violinista, descobriu que as crianças podem aprender violino da mesma forma que aprendem a falar: com paciência, muita repetição, muitos elogios e incentivo das pessoas que as rodeiam.

Oficineira:
Shinobu Saito
É Doutora em música (performance em violino), formada pela Universidade de Iowa. Trabalha desde 1981 com o método Suzuki, tendo obtido excelentes resultados no ensino de instrumentos de cordas. Em junho de 2006 obteve o "Teacher Trainer Certificate" da Associação Suzuki Americana (SAA), tornando-se a primeira professora no Brasil qualificada para treinar professores do método Suzuki. Enquanto cursava o seu doutorado, deu aulas na Preucil School of Music, escola particular de música especializada em ensino pelo método Suzuki. Esta escola possui em média 600 alunos Suzuki e cinco diferentes níveis de orquestra de acordo com a idade, habilidade de leitura e conhecimento técnico do instrumento. CD foi financiada pelo projeto da Prefeitura de Campinas (FICC) de 2007.


"Composição de músicas infantis" - 30 vagas

Esta oficina destina-se a estudantes, profissionais e professores de música, compositores, educadores e cuidadores de crianças a partir de 4 meses e pretende explorar bases e formas de compor música para criança levando-se em conta o contexto do desenvolvimento infantil - ambiente escolar e familiar. O ponto de partida será a informação sobre o desenvolvimento sensorial, motor, cognitivo, emocional e neurológico infantil e temas relevantes. Em paralelo teremos a vivência de brincadeiras musicais já utilizadas na sala de aula para conduzir a criação e adequação de uso das canções e contato com a arte.

Oficineira
Margareth Darezzo
É arte educadora, trabalha com música para crianças há mais de 20 anos; é compositora, publicitária, Mestre em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos, Especialista em Psicologia Infantil, tem Extensão Universitária em Neuropsicologia:emoção e cognição, Aperfeiçoamento em neurociências, linguagem e aprendizado pelo CEFAC e Extensão Neuropsicologia do desenvolvimento e suas interfaces - Neuroclin - Dr. Mauro Muszkat (em andamento). Estuda piano erudito desde 1969, e estudou na Escola Magda Tagliaferro de 1989 a 1995, com a Professora Zilda Cândida dos Santos. Pesquisa danças e canções do folclore brasileiro. Promove grupos de estudo sobre vínculo e desenvolvimento infantil (desde 97) e participa de grupos de estudo sobre desenvolvimento e neuropsicologia (desde 2003). Doula formada pela equipe médica do Dr. Adaílton Salvatore Meira da UNICAMP, trabalha com música e desenvolvimento para gestantes, bebês de 4 meses a 3 anos e crianças a partir de 4 anos. Ministra palestras e cursos para profissionais da educação - educadores e cuidadores.


"Vivência em Musicoterapia" - 30 vagas

Utilização dos elementos da música com o objetivo de facilitar, promover comunicação, relacionamento, aprendizagem, movimento, expressão, organização, além dos objetivos terapêuticos que visam estimular as capacidades físicas, emocionais, mentais e cognitivas, visando desenvolver as potências do individuo para que ele possa melhorar sua integração intra e/ou interpessoal.

Oficineiro
Diogo F. Camargo
 
Musicoterapeuta e professor de yôga, formado em musicoterapia pela FMU (faculdade metropolitana unida) em São Paulo. Atualmente trabalha nas instituições APAE Campinas e Três fontes, atendendo grupos com a musicoterapia, abrangendo as diversas qualidades de pacientes especiais existentes nas instituições. Realiza atendimentos de musicoterapia a clientes com ou sem necessidades especiais, além de ministrar palestras e vivências de musicoterapia e yôga.


Quinta - 05/11
 
'A Musicalização de 0 a 2 anos ' - 30 vagas

A Oficina se constituirá através da apresentação do trabalho realizado na Escola de Musica de Jundiaí com crianças de 8 meses à 2 anos de idade. A partir dos dados e resultados, serão apresentados e discutidos objetivos, estratégias e repertório para o trabalho com crianças nessa faixa etária.

Oficineira:
Luciana Feres Nagumo
Iniciou seus estudos de musica com sua mãe, Josette S. M. Feres. Pedagoga, de 1990 à 2003, foi professora e coordenadora do curso de musicalização infantil da EMJ (Escola de Música de Jundiaí). Participou de diversos congressos e conferências, entre eles: Les chants du monde (1984) e Enfance et Musique: Musique et Psychomotricitè (2005) na França; Congresso ISME (1998) na Africa do Sul e do XXX Congresso Willems (2000) em Portugal. Em 1984, fez estágio em creches municipais parisienses nos ateliers-musique. De 2004 à 2006, trabalhou como professora de música no Relais Assistantes Maternelles (Pont-Audemer) França. Atualmente é novamente coordenadora e professora do curso de musicalização infantil da Escola de Música de Jundiaí e professora de música no Projeto Familia Digna (Jundiaí).

"Integração de Linguagens - Teatro e Música" - 30 vagas

1o. momento: apresentação de trabalho realizado na Emia com alunos de 8 anos, chamado "Nossas histórias na linha do cordel". 2o. momento: realização da atividade com os inscritos. Nosso estímulo será a literatura de cordel, a xilogravura, o repente, a embolada, entre outras manifestações culturais do nordeste brasileiro presentes em nossa cidade. Artes Visuais: O conflito entre o preto e o branco tão característico na xilogravura através de uma abordagem preparatória para se chegar no processo em si, da madeira e goiva, o estudo das possibilidades de se trabalhar com o preto e o branco em um exercício de preparação do olhar para a técnica (xilogravura). Música: criação coletiva a partir de jogo de palavras trazidas na memória e por associação, utilizando estrutura musical pré-estabelecida (ritmo, melodia, harmonia). 3o. momento: reflexão da proposta relacionada ao interesse dos participantes. Prática e reflexão da proposta desenvolvida com professores e alunos da Emia, integrando as linguagens da música, teatro e das artes visuais voltada aos educadores e interessados no assunto. Como cada indivíduo se situa no espaço de uma cidade que congrega diversidade cultural, a valorização da sua identidade no meio social de sua convivência, o quanto um influencia e contribui para a formação cultural do outro, a percepção do olhar, do ouvir e apreciar novas fontes artísticas que nos circundam nas grandes cidades.

Oficineiros:
Giselle Loiacono Ramos de Azevedo
Formada em Composição e Regência 1989- Instituto de Artes da UNESP. Realizou estudos de formação musical e instrumental (violão e viola) na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, Escola Municipal de Mùsica e Universidade Livre de Música em São Paulo. Participou ainda de cursos livres, encontros e workshops abordando as diferentes vertentes musicais e a relação com as demais linguagens artísticas na cidade de S. Paulo e outras cidades brasileiras. Atua há mais de 20 anos como artista/instrumentista, professora de instrumento, musicalização e regente de coral, e ainda, cursos de capacitação para professores da Rede Municipal de Educação (SP e outras). Atua como Coordenadora de Equipe do Projeto Música Vocacional, professora de Musicalização e Cordas Coletivas na Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA) ambos através do Departamento de Expansão Cultural (DEC) da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo e ainda no Projeto EMIACIDADE (coral e violão) da Secretaria da Cultura da Cidade de Santo André.


Francisco Luiz da Costa Carvalho
Mais conhecido como Chico Lú, desenvolve atividades nas áreas artísticas e didáticas. Na área didática, é professor de teatro para crianças e adolescentes na Escola Municipal de Iniciação Artística, mediador de leituras com incursões na área literária, através de oficinas de literatura e curso para formação de contadores de história. Na área artística, atua como diretor, ator e contador de histórias desde 1983. Como diretor teatral, dirigiu vários grupos infantis, como o Teatro Infantil Monteiro Lobato- TIMOL. Como ator, atuou nas peças "O Noviço" de Martins Pena, "Amor por anexins" e "Uma consulta" de Arthur de Azevedo, além de inúmeras outras peças da dramaturgia brasileira. Desenvolveu também trabalhos com o mímico Alberto Gaus, em turnê por todo o Brasil.

"Estratégia de ensino para coro infantil e desenvolvimento de coral cênico infantil" - 30 vagas

Estratégias para formação de coral infantil, dinâmicas de ensaio, técnicas vocal infantil, exercício de postura e prontidão, coro cênico infantil e postura do regente enquanto educador musical.

Oficineira:
Silmara Drezza

Silmara Drezza iniciou seus estudos de música aos 5 anos na Sociedade de Música PioX. É formada em Licenciatura Plena em Música pela Faculdade de Música Carlos Gomes - São Paulo. Estudou Pedagogia Musical Infantil na Ecole de Musique Martenot em Paris, 86 e 87, e fez curso de regência coral na Butler University-EUA com o maestro Henry Leck, e com o mesmo no Brasil em 1999, 2002 e 2004.
Foi aluna especial na classe de regência, do Profº Eduardo Ostergren na Unicamp, e Jocelei Boher em São Paulo. Participou de vários congressos, convenções e seminários em Brasília, Rio de Janeiro, Itu, Serra Negra, Blumenau, Ibiporã (PR), São Paulo. Desde junho de 2004 é regente do Coral da Gente, do projeto Instituto Baccarelli. Em Jundiaí, é regente fundadora do Coral Infantil do Colégio Divino Salvador desde 1987, Coral Infanto-Juvenil Pio X desde 1996, e do Coral Infantil do Centro Cultural de Campo Limpo Paulista mantida pela Thyssen-Krupp, desde 2002


Sexta - 06/11

Lenga la Lenga: "Jogos de mãos e copos para o ensino de música"

Com uma abordagem lúdica e criativa do ensino de música, a oficina focaliza o trabalho com canções brasileiras arranjadas para jogos de mãos e copos, buscando possibilidades metodológicas que valorizem a produção musical dos alunos em sala de aula. O repertório abrange brinquedos de roda, parlendas, adivinhas e trava-línguas, acompanhados com materiais simples, como copos plásticos e sons corporais. O trabalho também procura refletir sobre produção musical infantil e seus entrelaçamentos com a educação musical, um tema que surge na intersecção entre as preocupações com a infância, culturas lúdicas, educação e criação musical. Os arranjos foram concebidos para a prática musical no contexto escolar e permitem múltiplas formas de utilização em sala de aula pelo professor.

Oficineira:
Viviane Beineke

"Método Orff" - 30 vagas
Esta oficina tem como objetivo apresentar e promover a vivencia da abrangente filosofia de Educação Musical Proposta por Carl Orff, bem como analisar e discutir suas possíveis aplicações ao ensino musical no Brasil. A oficina terá como foco central a prática instrumental (Xilofones, Metalofones e Percussão), abordando a tecnica elementar dos instrumentos, a improvisação, a criatividade musical e a introdução a pratica de arranjos. Dirigido a professores e estudantes de música, educação artistica;demais interessados com algum conhecimento de linguagem musical.

Oficineira:
Enny Parejo
Doutora em Educação-currículo pela PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA - São Paulo, sob a orientação de Maria Cândida Moraes; Mestre em Educação-currículo pela mesma instituição (2001), sob a orientação de Marcos Masetto; Bacharel em música (especialidade em Piano) pela FACULDADE PAULISTA DE ARTE (1984); professor titular da FACULDADE DE MÚSICA CARLOS GOMES, onde é responsável pelas disciplinas de Percepção Musical e Metodologia do Ensino Musical; dirige, coordena e ministra cursos de Pedagogia Musical para professores de música e educação infantil, no ATELIER MUSICAL ENNY PAREJO; Consultora Musical do projeto Fábricas de Cultura da SECRETARIA ESTADUAL DE CULTURA de São Paulo; membro do grupo de pesquisa ECOTRANSD - Ecologia dos Saberes e Transdiscipolinaridade - afiliado ao CNPQ; exerce intensa atividade como palestrante e formadora em diversas instituições do estado de São Paulo e de outros estados. Sua linha de pesquisa tem como pano de fundo filosófico a Teoria da Complexidade, a Transdisciplinaridade e o interesse na compreensão profunda dos fenômenos complexos envolvidos no processo educacional, de uma forma geral, e em especial, no processo de educação musical.

"O papel do professor artista na iniciação à dança teatro"

O curso tem o intuito de promover a reflexão acerca do professor artista e sua influência no processo de iniciação de crianças às artes, especificamente à dança e ao teatro. A exposição das idéias das propositoras acontecerá por meio de propostas de improvisação e exploração do movimento aos participantes, relatos de experiência e demonstração de registros visuais tais como fotografias projetadas e vídeo, cuja edição privilegia a discussão do tema de pesquisa das docentes: a improvisação e a escuta sensível como aliadas do professor artista no processo de iniciação às artes através da integração de linguagens. O curso será prático com algumas interseções teóricas e, as proponentes privilegiarão, assim como fazem em aulas com crianças, a experiência vivida e encarnada no próprio corpo, onde acreditam estar impressos toda a sua trajetória, suas crenças, pontos importantes de suas formações, afinidades, divergências e encanto pela arte e pela docência.


Oficineiras:
Daniela Rizzi Bozzo
Graduou-se em Teatro pela UNICAMP em 1994. Iniciou sua carreira artística como artista e professora no mesmo ano. De 1994 a 2000 integrou o grupo de Teatro Benditos Malditos participando de várias montagens, com destaque para: "Gira de Romeu e Julieta", adaptação e direção de Márcio Tadeu, "Werther", de Goethe, adaptação e direção: Márcio Tadeu e "As Nuvens", de Aristófanes. Além de outros espetáculos: "A Roupa Nova do Rei", adaptação e direção de Thereza Peric, "Conversa por um Fio", texto e direção de Tereza Peric. "Uma Baleia Perto da Lua" e "Mingau de Concreto", texto e direção de Lino Rojas, com o Grupo Pombas Urbanas, São Paulo.."Forrobodó" texto de Wladimir Capela e Zé Geraldo Rocha, Direção de Zé Geraldo Rocha. São Paulo. Atua como artista- professora na Escola Municipal de Iniciação Artística de São Paulo,EMIA, desde 1996. Foi coordenadora da área de teatro de 1998 a 2000 e de 2005 a 2007 nessa mesma escola. Em 2008 iniciou como professora de teatro no Colégio Pequeno Príncipe em Ribeirão Preto.

Priscilla Vilas Boas
Graduou-se em Dança pela UNICAMP em 2001. Iniciou paralelamente sua carreira artística e como artista professora no mesmo ano. Entre 2002 e 2008 integrou a Cia e Dança Tugudum (Campinas), dirigindo e atuando em várias montagens, com destaque para: "A Bola e a Boneca", espetáculo de dança contemporânea infantil apresentado em várias unidades do Sesc do Estado de São Paulo entre 2002 e 2005; "O que é que te mantém em pé?", selecionado para a Primeira Mostra de Dança Contemporânea do Sesc de Campinas em 2005, e, em 2007 foi contemplada pelo Projeto de Incentivo à Cultura da Caixa Econômica Federal de Brasília (edital de ocupação de espaço) com o projeto "Roda-Girando diálogos de dança. Em 2009 criou o trabalho"Entre a queda e o vôo, a possibilidade do risco" , selecionado para o Projeto primeiro passo realizado pelo Sesc Pompéia em parceria com a crítica de dança Helena Katz.
Atua como artista- professora na Escola de Iniciação Artística de São Paulo desde 2006 e na Escola Livre de Dança de Santo André desde 2009, onde realiza pesquisas metodológicas sobre a relação da criança com a arte contemporânea e a integração das linguagens como prática artística e docente na contemporaneidade.