SUPER

INTERESSANTE

ANO 11 - n.6 - JUNHO 1997

(Obs: o artigo não se apresenta aqui em sua versão completa, que inclui fotos, desenhos e mapas)

CANGACEIRO IDOLATRADO

Há 100 anos nascia Lampião, o "rei do cangaço". Esse "rei" assaltou, seqüestrou, torturou, assassinou. E foi assim, como um sádico fora-da-lei, que ele se tornou um ídolo popular.

POR WANDA NESTLEHNER

"Olê mulher rendeira / Olê mulher rendá / Tu me ensina a fazer renda / Que eu te ensino a namorar." Esses versos, quando soavam no sertão nordestino dos anos 20 e 30, podiam ser prenúncio de muito sangue - ou de muita festa. Lampião e seu bando entravam nas vilas cantando. Se a população negasse o que queriam - dinheiro, comida, apoio -, eles revidavam.

Seqüestravam crianças, incendiavam fazendas, matavam rebanhos, estupravam, assassinavam e torturavam. Se fossem atendidos, organizavam bailes e davam esmolas. Por isso, quando ouvia Mulher Rendeira, que aliás é de autoria de Lampião, a gente sertaneja oscilava entre o pavor e a curiosidade. Ou fugia ou ia espiar pelas frestas, para ver aquele cuja fama já fascinava o país.

Apesar de terem sido cenários de barbaridades praticadas por Lampião, duas cidades nordestinas querem erguer estátuas em sua homenagem. E a população aprova. A imagem de herói supera a de facínora.

Mais mito que verdade

No interior do Pernambuco, o culto já exige monumentos. No dia 7 de julho, quando, segundo o Registro Civil, se comemoram 100 anos do nascimento de Lampião, o município de Triunfo lançará a pedra fundamental de uma estátua de 32 metros de altura para homenageá-lo. Com o apoio do povo. Triunfo segue o exemplo da vizinha Serra Talhada, ex-Vila Bela, terra natal do cangaceiro, que, em 1991, organizou um plebiscito para saber se ele merecia uma honraria dessas. O resultado foi sim e a estátua só não existe ainda por falta de verbas.

Bem antes de morrer, Lampião já inspirava poemas, músicas e livros. Uma propaganda de remédio chegou a comparar os males que ele causava à sociedade com os distúrbios provocados pela prisão de ventre. Mas a referência ao cangaceiro como figura nociva era exceção. Em geral, ele era tratado como herói, um nobre salteador, que tomava dos ricos para dar aos pobres. Em 1931, o mais importante jornal americano, The New YorkTimes, divulgou essa versão caridosa do criminoso.

Com o tempo, o mito só cresceu. Este ano serão lançados mais três filmes (Corisco e Dadá, O Cangaceiro e O Baile Perfumado) e uma novela (Mandacaru, na Rede Manchete) sobre Lampião. Isso sem falar nos livros. E muitas dessas obras continuam mistificando o bandido, como se houvesse algum glamour em sua biografia.

 

O começo de uma carreira de horrores

Lampião inspirou muita literatura, mas não foi a origem da palavra cangaço. No século XIX, ela já designava bandoleiros nordestinos que carregavam o rifle deitado sobre os ombros, lembrando a canga, arreio de madeira que vai sobre o pescoço dos bois, e o nome pegou. Canga, cangaço, cangaceiro.

  • O pernambucano Cabeleira, nascido em 1751, foi o primeiro a virar mito. Acabou enforcado. Lucas da Feira, de 1807, também foi executado, mas antes viajou ao Rio para estar com
  • D. Pedro II, que desejava conhecê-lo. Depois vieram Jesuíno Brilhante, Meia Noite, Antonio Silvino e Sinhô Pereira. Foi no bando deste último que Virgulino Ferreira da Silva ingressou, aos 24 anos.

    Filho de um pequeno proprietário rural, o rapaz sabia ler e era hábil artesão em couro. Mas entortou sua biografia em l 915, quando acusou um empregado do vizinho José Saturnino de roubar uns bodes.

    A rixa entre as famílias durou anos. Em 1919, Virgulino e dois irmãos, Livino e Antônio, caíram no crime. Matavam gado do inimigo e assaltavam.

    No encalço dos três irmãos, a polícia prendeu um quarto, o inocente João. O pai, José Ferreira, fugiu. No caminho, hospedou-se na casa de um amigo, onde foi morto pela polícia. Virgulino, diz a lenda, jurou: "De hoje em diante vou matar até morrer "

     

    Crueldades varrem o Sertão

    Não dá para enumerar as atrocidades cometidas por Lampião. Sob o escudo da vingança, ele tornou-se um "expert" em "sangrar" pessoas, enfiando-lhes longos punhais corpo adentro entre a clavícula e o pescoço. E consentiu que marcassem rostos de mulheres com ferro quente, Arrancou olhos, cortou orelhas e línguas. Castrou um homem dizendo que ele precisava engordar.

    Não há nada que justifique práticas assim. Mas muitos pesquisadores tentam explicá-las. "Lampião é um produto do seu meio", arrisca Paulo Medeiros Gastão, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, com sede em Mossoró (RN). "Ele foi levado por fatores ligados à vida no sertão, como ignorância, secas, ausência de governo e de Justiça", diz Gastão. Mas argumentos assim, alegados por muitos estudiosos, não são suficientes para entender Lampião. É o que garante o historiador americano Billy Jaynes Chandler, especialista do assunto: "Sua história, com todas as suas excentricidades, é toda dele".

    O ambiente em que o bandido cresceu, porém, tem seu peso. De acordo com Vera Lúcia F. C. Rocha, da Universidade Estadual do Ceará, "o código de honra do sertão não culpabiliza os homens que matam por vingança, mas enaltece sua coragem". Vera, que acaba de lançar o livro Cangaço: Um Certo Modo de Ver, lembra que aquela sociedade repete para os meninos: "Seja homem". Será que era a essa expectativa que Virgulino Ferreira tentava atender?

    Ele não tinha compromisso com classes sociais, embora tenha surgido num ambiente de injustiça. Era amigo de qualquer um que o apoiasse e inimigo dos que o contrariavam.

  • Fossem coronéis ou miseráveis.
  • Nada a ver com Robin Hood

    Não são poucos os que vêem em Lampião um Robin Hood nordestino. "Ele foi bandido, mas também teve atitudes de distribuir o que tomava", diz o pesquisador Antônio Amaury C. de Araújo, de São Paulo, que escreveu seis livros sobre o cangaço. É, houve passagens assim. Em 1927, o bando entrou em Limoeiro do Norte (CE) jogando moedas para as crianças. Cena semelhante acontecera em Juazeiro, quando, num dos mais absurdos episódios da história brasileira, o bandido foi convocado para combater a Coluna Prestes (veja o infográfico).

    "Mas Lampião nunca escolheu aliados em função da classe social", diz o antropólogo Villela. "Pobres e ricos, oprimidos e opressores, todos eram bons desde que satisfizessem suas exigências. Todos eram inimigos desde que se opusessem a seus propósitos."

    O historiador inglês Eric Hobsbawm chegou a classificá-lo como um "bandido social" - não exatamente um Robin Hood, mas um tipo vingador. "Sua justiça social consiste na destruição", disse Hobsbawm, que foi criticado pela avaliação. Billy Chandler, por exemplo, acha que Lampião só poderia ser considerado um bandido social por ter raízes em um ambiente injusto, nunca por se preocupar com a justiça social.

    Villela concorda. Para ele, Lampião resistiu a um tipo de migração vergonhosa, a migração do medo, que empurrava para longe gente ameaçada por inimigos ou pela policia. Para não passar por covarde, assumiu o nomadismo e a violência. As boas ações seriam um "escudo ético", na opinião de Frederico Pernambucano de Mello, superintendente de Documentação da Fundação Joaquim Nabuco, de Recife. Lampião, apesar de perverso, queria ser visto como um homem bom.

     

    Como o país armou Lampião

    Para combatera Coluna Prestes, marcha de militares revoltosos comandados pelo Capitão Luís Carlos Prestes, que depois tomou-se líder comunista, o governo se aliou ao cangaceiro em 1926.

     

    Janeiro: o bandido é convocado

    Com a coluna se aproximando do Ceará, Floro Bartolomeu, deputado federal do Estado, recruta uma força de defesa, os Batalhões Patrióticos, e vai com ela para Campos Sales (CE). Prepara uma carta convocando Lampião e a manda para o Padre Cícero endossar. Um mensageiro vai atrás de Lampião. Enquanto isso, Bartolomeu, adoentado, segue para o Rio.

    Fevereiro: confusão entre inimigos

    Aparentemente sem ter recebido a carta de Bartolomeu, Lampião cuida de seus interesse pessoais em Pernambuco. Invade a fazenda de um antigo inimigo, mata dois, fere dois e incendeia a casa. Saindo desse ataque, no mesmo dia, tem um combate com a coluna, mas pensa que está lutando com a polícia.

    Março: defensor público por pouco tempo

    Lampião recebe a carta e segue para Juazeiro. Acampa com 49 homens perto da cidade e mais de 4 000 curiosos vão vê-lo. No dia 5, se encontra com o Padre Cícero e recebe uma patente de capitão dos Batalhões Patrióticos, assinada, acredite, por um funcionário do Ministério da Agricultura. Mais tarde esse homem diria que, naquelas circunstâncias, assinaria até exoneração do presidente. Todos os cangaceiros recebem uniformes e fuzis automáticos. No dia 8, Floro morre.

    Lampião parte decidido a cumprir o combinado, mas é perseguido em Pernambuco, o que o desaponta. Volta para falar com o Padre Cícero. Como este não o recebe, interrompe sua carreira de defensor público e retoma a rotina de crimes.

     

    Apoio logístico de primeira

    A formação que Lampião teve em casa valeu muito para sua brilhante atuação no cangaço. Com uma tropa de burros, sua família fazia frete de mercadorias. Virgulino aprendeu bastante sobre caminhos e viagens longas no trabalho com o pai. Além disso, conheceu muita gente do sertão. E tantos contatos acabariam sendo preciosos mais tarde.

    A rede de apoio que ele tinha era fantástica, embora não fosse formada só de amigos. O historiador cearense Abelardo Montenegro definiu três tipos de carteiros, como eram chamados aqueles que davam proteção ao bandido: o involuntário, que tinha medo, o vingador, que queria usar seus serviços, e o comerciante, que visava lucro. De acordo com a também cearense Vera Rocha, para a polícia havia só dois tipos: os ricos, que queriam proteger suas propriedades, o que era considerado compreensível, e os pobres, que o admiravam, o que era inadmissível.

    Na verdade, ninguém tinha coragem de negar ajuda ao cangaceiro. E todo mundo também morria de medo da polícia. Em 1932, quando a repressão acirrou, as volantes, tropas andarilhas, transformaram-se num terror. "Quem tivesse 16, 17 ou 18 anos tinha que se alistar no cangaço ou na volante, senão ficava à mercê dos dois"', costuma dizer Criança, ex-cangaceiro que mora hoje no litoral paulista.

    Os coronéis não tinham esse problema. Lampião chegou a ser amigo do capitão Eronides Carvalho, médico do Exército que se tornaria governador de Sergipe em 1934. O próprio confessou, anos depois, ter arranjado, mais de uma vez, munição para o bando.

     

    Nos intervalos entre um crime e outro, os cangaceiros rezavam e se divertiam. Organizavam bailes, para os quais se perfumavam exageradamente. Antes da entrada das mulheres no bando, homens dançavam com homens mesmo.

     

    Em paz, somente com Deus

    Em meio ao sangue, Lampião achava lugar para a religião. Nos acampamentos, rezava o ofício, espécie de missa. Carregava livros de orações e pregava fotos do Padre Cícero na roupa. Em várias das cidades que invadiu chegou a ir à igreja, onde deixava donativos fartos, exceto para São Benedito. "Onde já se viu negro ser santo?", dizia, demonstrando seu racismo. Supersticioso, andava com amuletos espalhados pela roupa. Levou sete tiros e perdeu o olho direito, mas acreditava-se que tinha o corpo fechado.

    Em tempos de calmaria, os cangaceiros dividiam o tempo entre a fé e o prazer. Jogavam cartas, bebiam, promoviam lutas de homens e de cachorros, faziam versos, cantavam, tocavam e organizavam bailes. Para essas ocasiões se perfumavam muito. Mello informa que Lampião tinha preferência pelo perfume francês Fleur d'Amour. Balão, que viveu os últimos anos do cangaço, contou antes de morrer que eles usavam mesmo era Madeira do Oriente, bem mais popular. Há relatos de que os bandoleiros perfumavam até os cavalos quando andavam montados .

     

    Em 1929, na cidade de Capela, Sergipe, Lampião pesou seu equipamento. Sem as armas e com os depósitos de água vazios, deu 29 quilos. E isso também não incluía a roupa, grossa o suficiente para protegê-lo dos espinhos da caatinga. O figurino inteiro era de grande valia. Ao lado, ele é mostrado por Corisco, um dos homens de confiança de Lampião, que tinha seu próprío bando, e sua mulher Dadá. Não é à toa que quando começaram a construir estradas no Sertão, Lampião ficou furioso, a ponto de matar muitos trabalhadores inocentes. Ele não precisava de estradas e sabia que elas seriam o seu fim.

     

    Jeito estranho de constituir família

    Muito se fala que Lampião respeitava as mulheres. Mas parece que não era bem assim. Consta que em 1923, num lugar chamado Bonito de Santa Fé (PB), ele deu início ao estupro coletivo da mulher de um delegado. Eram 25 homens. "Tirei muita mocinha das mãos de companheiros", conta Ilda Ribeiro de Souza, a Sila, 73 anos, a viúva do cangaceiro José Sereno, que vive em São Paulo.

    O líder também mandava marcar a ferro moças que usassem cabelos ou vestidos curtos. É possível que Maria Déa, a Maria Bonita, não soubesse dessas histórias quando se apaixonou por ele. Ela o conheceu em 1929 e, em 1930, deixou o marido, o sapateiro José Neném, para segui-lo. Assim, abriu as portas para a entrada de mulheres no bando. Segundo Frederico de Mello, era uma época de "mais idade, menos guerra e mais limpeza". Alguns estudiosos acreditam que as mulheres rivalizaram com as armas, desviando os homens da concentração militar. Teriam sido responsáveis pelo fim do cangaço.

    De fato, algum problemas surgiram, como o nascimento de crianças. A solução foi dá-las para padres ou fazendeiros. Quando morria um companheiro, a viúva tinha de arranjar novo par. Por duas vezes isso não deu certo e a saída foi executar as mulheres. Rosinha e Cristina foram assassinadas para não ameaçar o grupo. Outro drama era o adultério. Lídia e Lili morreram por trair seus companheiros.

    É curioso notar como, apesar de atitudes extremamente conservadoras com as mulheres, Lampião chegava a ser moderno em outros aspectos. Mandava cartas com papéis que tinham seu nome datilografado, tremenda novidade na região. De acordo com Mello, preocupado com falsificação de correspondência - houve quem tentasse se passar por ele para levantar um dinheirinho - mandou fazer cartões de visita com sua foto. E tinha até garrafa térmica. De um certo ponto de vista, pode-se dizer que levava uma vida sofisticada.

    As táticas de guerrilha e a abundância de munição, conseguida com a própria polícia, ajudavam Lampião nos combates. Não há números certos, mas alguns estudos estimam que na guerra do cangaço houve pelo menos l 000 baixas.

     

    Muita bala e cabeça de guerrilheiro

     

    O bando de Lampião chegou a passar sede e fome, mas munição nunca faltou. Nem os "cabras" de maior confiança sabiam de onde vinha tanta bala. Direta ou indiretamente, a principal fonte foi a própria polícia. Pesam fortes suspeitas até sobre o capitão João Bezerra, o mesmo que acabou matando Lampião em Sergipe, em 1938.

    Com suprimento suficiente e a cabeça de guerrilheiro de Lampião, o bando ganhava todas. Não se sabe quantos combates foram travados. O ex-comandante de volantes pernambucano Optato Gueiros contou 75. O cangaceiro, já em 1926, falava em 200. Também não há números sobre as baixas. "Alguns afirmam que morreram, em ambos os lados, cerca de 1 000 homens", diz o historiador Jovenildo Pinheiro, da Universidade Federal de Pernambuco.

    Para conseguir bons resultados, Lampião evitava ao máximo os confrontos e abusava de uma tática conhecida como dueto. Ao ataque da polícia, simulava uma fuga, esperando o inimigo em outro local, de surpresa. Havia quem dissesse que isso era covardia. Ele preferia chamar de esperteza.

    Virgulino gostava das armas. Foi delas, aliás, que ganhou seu apelido. Diz-se que certa vez ele iluminou o ambiente com tiros, como um lampião, para que um colega encontrasse um cigarro caído no escuro. Outra versão conta que ele fez uma modificação num fuzil, tornando-o mais rápido, de modo que o cano estava sempre aceso. Como um lampião.

     

    Truques que davam certo

    O conhecimento do ambiente e o uso de

    algumas táticas davam vantagem ao cangaceiro.

     

    Rastros

    Uma forma de escondê-los era andar em fila indiana, todos pisando na mesma pegada. O último ia de costas, apagando-a com plantas, Mandavam também fazer alpercatas com o salto na frente e não atrás, como é normal. A pegada parecia apontar para o outro lado.

    Comunicações

    Quando entrava numa cidade, o bando cortava o fio do telégrafo e tomava o posto telefônico, impedindo pedidos de socorro.

    Estradas

    Eram evitadas. Os bandoleiros iam por dentro da caatinga. Quando não tinham outra opção, seqüestravam todas as pessoas que encontravam e levavam os reféns ao menos por um tempo.

    Psicologia

    Não deixavam a polícia avaliar o resultado dos combates. Levavam os mortos e, quando não dava, cortavam-lhes as cabeças, dificultando a identificação.

    Apelidos

    Quando um integrante do grupo morria, seu apelido era adotado por um novato. Essa é uma das razões que faziam os cangaceiros parecer invencíveis, pois os nomes eram imortais.

    Alarmes

    Sempre havia cães acompanhando o bando. Eles funcionavam como sentinelas. Havia também um sistema banal de alarme. Consistia em cercar o acampamento com fios ligados a sinos.

    Encurralado no esconderijo

    No ano passado, o fotógrafo mineiro José Geraldo Aguiar causou considerável estardalhaço quando anunciou que Lampião não morreu em 1938, aos 41 anos, como está escrito nos livros de história. Ele teria morrido apenas em 1993, em Minas, com o nome de Antônio Maria da Conceição. Aguiar pediu a exumação do corpo de Conceição mas a Justiça negou. Agora aguarda julgamento de um novo processo que apresentou. "Eu vou provar que estou falando a verdade", garantiu ele à SUPER.

    Enquanto isso, fica valendo a história antiga. Lampião foi traído por um coiteiro e surpreendido pelos "macacos", como ele chamava os policiais, comandados por João Bezerra. O chefe do cangaço estava em um de seus coitos (esconderijos), na Fazenda Angico, em Porto da Folha, Sergipe. Isso aconteceu na madrugada de 28 de julho de 1938. Os trinta homens e cinco mulheres começavam a se levantar e os 48 policiais traziam uma metralhadora Hotchkiss, um dos sonhos de Lampião. Além dele e de Maria Bonita, foram mortos mais nove cangaceiros. A selvageria policial foi equivalente à dos bandidos. As cabeças dos mortos saíram em uma turnê macabra, e foram expostas em várias cidades. As de Lampião e de Maria, que foi degolada viva, seguiram para o Instituto Nina Rodrigues, em Salvador. Só foram enterradas em 1969.

    Mas a história também pode não ter sido bem assim. Naquela época, Lampião negociava sua saída do cangaço com a polícia de três Estados. Por isso, há a suspeita de que o episódio de Angico foi uma farsa e de que a cabeça atribuída ao rei do cangaço era de um outro qualquer. Diz-se que ele carregava 1000 contos de réis (um carro custava 8 contos) e uns 5 quilos de ouro. Isso sem falar no dinheiro que agiotava e que, claro, deixou de receber. Enfim, poderia ter subornado seus perseguidores e se mandado, como garante José Geraldo Aguiar.

    Cinco dias depois do combate, Corisco, o diabo loiro, que não estava presente, matou um coiteiro, que imaginou ser responsável pela denúncia do amigo, e mais cinco pessoas de sua família. Cortou as cabeças e mandou para Bezerra. Em 1940, Corisco foi morto. Com ele, morreu o cangaço.

    *************************

    FOLHA DE SÃO PAULO

    Terça-feira, 13 de junho de 1995

    LAMPIÃO VOLTA COMO DÂNDI DO CANGAÇO

    Livros, filmes e exposição apresentam o matador nordestino como um esteta que ditava moda entre os cangaceiros

    RICARDO CALIL

    Da Redação

    Por trás de sua face bárbara, o cangaceiro Lampião escondia um sensível dândi, devotado às questões estéticas e culturais de seu tempo (início do século) e espaço (agreste nordestino).

    Baseados em livros e teses dos historiadores Frederico Pernambucano de Melo e Daniel Lins, o filme "Baile Perfumado" e a exposição "Eu - Virgulino Lampião" tentam desvendar a estética do cangaço (veja quadro ao lado) criada por Lampião (l897-1938).

    "A historiografia oficial sobre Lampião sempre mostrou o discurso dos ganhadores - as "volantes", que faziam o papel do Exército. Por isso, era ressaltado apenas o lado 'selvagem' do cangaceiro", afirma Daniel Lins.

    Além de cometer poesias e músicas, Lampião desenhava, costurava e até bordava as roupas de seu bando em couro ou algodão, na máquina Singer que carregava a seus acampamentos.

    Ao contrário dos sertanejos da época, os cangaceiros valorizavam o enfeite. Usavam brincos, anéis, colares e lenços estampados de seda inglesa ou tafetá francês - os do "rei do cangaço" eram bordados com a sigla C.V.F.L. (Capitão Virgulino Ferreira Lampião).

    Os ornamentos provinham dos saques que o bando realizava nas casas de coronéis e baronesas, praticando um inusitado caso de apropriação e difusão cultural.

    Entre os objetos de culto do bando, estava o perfume, usado com uma abundância perigosa. "Como todo sertanejo, os cangaceiros eram muito vaidosos. Às vezes, a polícia os identificava na mata pelo uso exagerado de perfumes", diz Rosemberg Cariry, diretor do filme "Corisco e Dadá", em fase de finalização.

    A preferência de Lampião recaía sobre o Fleur d'Amour, perfume francês muito conceituado entre os anos 20 e 40. Entre as bebidas, o predileto era o uísque escocês White Horse.

    Como seu nome indica, o filme "Baile Perfumado", que começou a ser rodado esta semana em Recife (PE), se detém nessa vocação "nouveau riche" de Lampião.

    Em outro projeto que resgata a cultura cangaceira, a refilmagem de "0 Cangaceiro" (Lima Barreto), essa preocupação estética também está presente. O figurino, por exemplo, foi encomendado ao artista plástico Carybé.

    A exposição "Eu - Virgulino Lampião", que será montada no Centro de Tradições Nordestinas da Rádio Atual, em São Paulo, em julho ou agosto, também mostra um cangaço distante do banditismo, em fotos, gravuras e cordéis.

    Além das preocupações materiais, acentuadas por sua aproximação com a aristocracia rural, Lampião acompanhava as novidades culturais de sua época.

    Era, por exemplo, leitor assíduo das revistas "0 Cruzeiro", "FonFon" e "Noite Ilustrada". Com essas leituras, Lampião e sua mulher, Maria Bonita, criaram gosto pela pose fotográfica, em que imitavam imagens clássicas de Greta Garbo ou Rodolfo Valentino.

    Em 1938, reportagem da revista norte-americana "Time Life" apontava Maria Bonita como uma mulher da moda".

    Lampião também se interessava por cinema. Em Capela (PE), assistiu a cerca de dez filmes. Gostava da série norte-americana de aventura "Os perigos de Minhoca". Também apreciava as histórias de amor. Mas, se o casal se separava, saía antes do fim.

    " Lampião tinha um lado feminino muito acentuado. Mas não se deve cair na armadilha de dizer que ele era gay", afirma Lins, autor de uma tese de doutorado sobre Lampião, defendida na Universidade de Sorbonne (França) e está sendo traduzida para o português.

    "Quando ele estava calmo, era um doce de mel, mas depois virava uma cobra." Para Lins, o cangaceiro era mais liberal que o sertanejo, porque permitia o chamego entre pessoas do mesmo sexo e a mancebia" (concubinato).

    Segundo ele, há registros de que Lampião recebia cafuné do cangaceiro Cascavel, mas nada além disso. Essas ocorrências teriam desaparecido com a chegada de mulheres ao bando, em 1929. Lins diz que era branda a discriminação contra supostos homossexuais. "Os efeminados apenas se tornavam cozinheiros e eram obrigados a casar com as mulheres feias."

    Frederico Pernambucano de Melo, autor de "Quem Foi Lampião" e um dos maiores colecionadores e historiadores do cangaço, vê o movimento como um precursor do feminismo no Brasil.

    "Pela primeira vez na história, as mulheres dividiam as tarefas com os homens igualitariamente. E o comprimento da saia subiu para cima do joelho", diz. Segundo ele, os acampamentos de cangaceiros se aproximavam das antigas cortes asiáticas, por sua opulência e moral sexual mais permissiva.

  • Cangaço exportação
  • Daniel Lins aponta uma espécie de "boom" do cangaço no exterior. De acordo com suas contas, foram produzidas recentemente dez teses na Europa (três só na Sorbonne) e seis nos EUA relacionadas ao tema, em sua maioria realizadas por estrangeiros.

    Há menos de um mês, terminou em Aix-la-Chapelle (França) uma exposição sobre o cangaço promovida por uma instituição governamental da Suíça.

    Segundo Lins, vários fatores explicam esse interesse. Em primeiro lugar, o cinema, com "0 Cangaceiro" (l953), de Lima Barreto, e "Deus e o Diabo na Terra do Sol" (l964), de Glauber Rocha. Depois, a literatura, com as obras de Graciliano Ramos.

    Contribui também o caráter exótico e político do cangaceiro (que, pela ótica esquerdista, seria um revolucionário). "Lampião continua como uma máquina de sonho. E, além disso, a idéia do herói efêmero (morreu aos 41 anos, de forma violenta) o traz para a pós-modernidade, concluiu Lins.

    *****************

     

    A ESTÉTICA DO CANGAÇO

    Tendências lançadas ou adotadas por Lampião e seu bando

    1 Chapéu - inspirado no modelo francês adotado pelo imperador Napoleão Bonaparte, de quem

    Lampião leu a biografia.

    2 Lenços - de tafetá francês ou seda pura inglesa; geralmente estampados e coloridos, quebravam a monotonia do tom ocre da roupa.

    3 Brincos - ao contrário de outros sertanejos, os cangaceiros usavam brincos e outras jóias.

    4 Casaco - desenhado e costurado em algodão ou couro por Lampião, que carregava uma máquina de costura Singer para todos os seus acampamentos; tem também inspirações medievais.

    5 Perfume - os cangaceiros costumavam ser reconhecidos pelo cheiro excessivo de perfume, inclusive pelas volantes; Lampião preferia o "Fleur d'Amour", considerado um dos melhores perfumes franceses entre os anos 20 e 40.

    6 Calça - o modelo mais usado era com culote e cintura bem alta; usavam até três no inverno devido ao frio à noite.

    7 Cabelo - longo. Lampião deixou de cortar os cabelos como promessa, após a morte do irmão, sendo seguido pelos outros cangaceiros; às vezes, eles penduravam anéis no cabelo, depois de lotados todos os dedos das mãos.

    8 Arma - como outros adereços, era cravejada de moedas de ouro, influência da marchetaria árabe no sertão nordestino; segundo o historiador Gilberto Freyre, os árabes são uma "eminência parda" na cultura nordestina.

    9 Alpargatas - enfeitadas com desenhos costurados; tinham uma lingueta para proteger os dedos

    10 Saia - sempre acima do joelho, desrespeitando a convenção da saia rendada até o tornozelo.

    11 Anéis - mulheres e homens usavam até três anéis por dedo.

    12 Alpargatas - desenhadas e confeccionadas em couro por Dadá, mulher de Corisco, estilista do grupo.

    13 Colares - também usados em abundância.

    ************

    Maria Bonita ganha autonomia

    Da redação

    No resgate da cultura cangaceira, Maria Bonita se firma como um personagem autônomo. José Antônio de Souza e Renata Melo dedicaram, respectivamente, um poema dramático musicado e uma peça de teatro-dança à cangaceira.

    Souza escreveu o texto da cantata (uma opereta sem encenação) "Peleja de Maria Bonita para Entrar no Bando de Lampião", que está sendo musicada por Vidal França para ser executada pela Orquestra Sinfônica de Campinas.

    Passada em uma noite "simbólica", a cantata mostra o processo de transformação da dona de casa Maria Didéia na cangaceira Maria Bonita. Dramaturgo e roteirista de TV ("Rabo de Saia", Grande Sertão Veredas"), Souza orientou sua cantata para o lado épico e psicológico do cangaço.

    A peça "Bonita Lampião" , da coreógrafa Renata Melo, enfatiza a relação amorosa entre os dois cangaceiros, a partir do ponto de vista de Maria Bonita.

    Segundo Melo, a peça pretende retrabalhar o cangaço em uma concepção mais moderna e sem o ranço folclórico e de esquerda dos anos 60.

    "Bonita Lampião" fica em cartaz até julho no Teatro Sérgio Porto, no Rio, após ser encenada no ano passado em São Paulo.

    ***************

     

     

    FOLHA DE SÃO PAULO

    Terça-feira, 13 de junho de 1995

    FILMES RECONSTITUEM PAIXÃO E MODA AGRESTE

    'Cangaceiro', 'Corisco e Dadá' e 'Baile Perfumado' apostam na fidelidade histórica para resgatar o filme de cangaço

    PAULO MOTA

    Da Agência Folha, em Fortaleza

    FÁBIO GUIBU

    Da Agência Folha, em Recife

     

    Nos últimos concursos do governo para verbas ao cinema, dezenas de filmes sobre o cangaço foram inscritos - com títulos como: "0 Cangaceiro e o Samurai" e "0 Carcará"-, o que comprova a revalorização deste subgênero exclusivamente brasileiro.

    Os três projetos aprovados -"0 Cangaceiro", "Corisco e Dadá" e "Baile Perfumado" apresentam enfoques bastante diversos sobre o cangaço, mas têm em comum, além do tema, a preocupação com a reconstituição e a fidelidade histórica.

  • "0 Cangaceíro"
  • Entre os projetos, o mais ambicioso - por sua concepção, orçamento e possível elenco- é o remake de "0 Cangaceiro" (1953).

    Com US$ 2 milhões, o diretor Carlos Coimbra e o produtor Anibal Massaini pretendem atualizar o clássico de Lima Barreto, que permanece o maior sucesso do cinema brasileiro no exterior, exibido em 80 países.

    Para tentar repetir esse êxito, eles convidaram para os papéis de protagonistas masculinos o espanhol Antonio Banderas ("Ata-me"), o cubano Jorge Perugorria ("Morango e Chocolate") e o português Joaquim de Almeida ("Perigo Real e Imediato").

    Segundo Massaini, são remotas as possibilidades de ter Banderas, envolvido com o projeto do filme "Evita". Perugorria e Almeida demonstraram interesse, mas ainda não deram resposta. Massaini pretende manter o enredo do filme original, mas com uma atualizada e mais realista.

  • "Corisco e Dadá"
  • O cineasta cearense Rosemberg Cariry também tem uma referência direta para "Corisco e Dadá", que está sendo finalizado na França. O filme resgata o cangaceiro Corisco através do misticismo, também retratado por Glauber Rocha em "Deus e Diabo na Terra do Sol".

    Cariry define "Corisco e Dadá como uma história épica de amor e ódio entre dois cangaceiros. "O enredo básico mostra como o ódio de Dadá, que foi raptada e estuprada por Corisco, aos 12 anos, vai se transformando em amor na cumplicidade da vida cangaceira", diz o cineasta.

  • "Baile Perfumado"
  • Dos três filmes, "Baile Perfumado" se aproxima mais das teses sobre a estética do cangaço, principalmente as desenvolvidas por Frederico Pernambucano de Melo. "Lampião aparece bebendo uisque, importado, tomando banho de perfume francês, dançando e costurando", contam os diretores Lírio Ferreira e Paulo Caldas.

    O filme reconstitui o encontro de Lampião com o fotógrafo e cineasta libanês Benjamin Abraão, que registrou as únicas imagens do cangaceiro. O historiador Gilberto Freyre dizia que o árabe representa uma "eminência parda" na cultura sertaneja. Entre os costumes herdados pelos cangaceiros, estão a marchetaria e o método de sangramento de suas vítimas.

    Chico Science e Fred Zero Quatro (do Mundo Livre S/A), precursores do mangue beat (movimento musical que une rock a ritmos tradicionais nordestinos), assinam a trilha com Mestre Siba e Lúcio.

    A pré-estréia de "Baile Perfumado" está marcada para o dia 28 de dezembro, data em que se comemora o centenário do cinema.

    *************

    Saiba quem foi Lampião

    Da Redação

    Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, carregou uma frustração por sua vida: nunca conseguiu assassinar Saturnino, o homem que mandou uma volante (Exército) matar seu pai.

    Nascido em Serra Talhada (PE), em 1897, terceiro de uma família pobre de nove filhos, Virgulino entrou para o cangaço aos 19 anos, no grupo do sr. Pereira.

    Nesse bando, ganhou o codinome Lampião, ao iluminar a escuridão com uma rajada de tiros quando os cangaceiros procuravam um maço de cigarro perdido.

    Em 1921, ele formou seu próprio grupo. No começo, matava os poderosos e distribuía o dinheiro dos saques aos pobres. Aos poucos, porém, abandonou essa prática e fez conluios com coronéis.

    Em 1927, o padre Cícero convocou o bando de Lampião para lutar contra o movimento comandado por Luís Carlos Prestes - a favor da democracia e contra o governo Vargas - em troca da anistia a seus crimes.

    Com a recusa do governo em conceder a anistia, o grupo fugiu com as armas cedidas por padre Cícero, tomando-se o mais temido bando entre os 46 que atuavam à época. Aglutinou diversos grupos menores sob seu comando, que se estendeu por até 300 cangaceiros.

    Depois de conhecer Maria Bonita, Lampião decidiu criar uma comunidade perto de Santa Brígida (BA) para aproximar casais e convencer o bando a aceitar mulheres. Com o aumento de seu poder, Lampião comprou fazendas, subdividiu seu grupo e criou um quartel em Angico (SE), onde se estabeleceu como traficante de armas. Lá, foi morto à traição por outro traficante em 1938.

    As cabeças de Lampião e seus cangaceiros foram cortadas e exibidas pelo Nordeste. Maria Bonita, além de ter a cabeça decepada, foi empalada. (Ricardo Calil)

    ************