Turma DE022 - Cinema Negro Brasileiro - Turma A

Nome

Cinema Negro Brasileiro

Subtítulo

História e teoria

Cód. Disciplina - Turma

DE022 - A



MM03

Não

Terça-feira das 14 às 17

Dados da disciplina


DE022 - Cinema Negro Brasileiro

Multimeios

Pós-graduação


3

45

0

0

0

0
Oferecimento IA

Início das aulas: 15/03/2022

Docentes

Noel dos Santos Carvalho

Critério de Avaliação

1) Seminários;

2) Frequência;

3) Trabalho escrito; 

Bibliografia

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

BALIBAR, Étienne; WALLERSTEIN, Immanuel. Raça, nação, classe - as identidades ambiguas. São Paulo, Boitempo, 2021.

BERNARDET, Jean-Claude; GALVÃO, Maria Rita. Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CATANI, Afranio Mendes; SOUZA, José Inácio de Melo. A chanchada no cinema brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CARVALHO, Noel dos Santos. Cinema e representação racial: o cinema negro de Zózimo Bulbul. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 311. 2006.

CARVALHO, Noel dos Santos; DOMINGUES, Petrônio. Dogma Feijoada, a invenção do cinema negro brasileiro. RBCS Vol. 33 n° 96 /2018.

CARVALHO, Noel dos Santos. Racismo e antirracismo no cinema novo. In: Estudos de cinema Socine, São Paulo, Annablume, 2008.

COLLINS, Patricia H. Pensamento feminista negro. São Paulo, Boitempo, 2020.

COLLINS, Patricia H; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. São Paulo, Boitempo, 2021.

COSTA, Sérgio. Dois atlânticos – teoria social, antirracismo, cosmopolitismo. Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

CRIPPS, Thomas. Black film as genre. Indiana University Press, 1979.

FANON, Frantz. Pele negra, mascaras brancas. São Paulo, UBU, 2020.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo, Global, 2005.

FRY, Peter. A persistência da raça. Rio de Janeiro, Civilização brasileira, 2005.

GALVÃO, Maria Rita. Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/Embrafilme, 1981.

GILROY, Paul. O atlântico negro. São Paulo, Editora 34, 2001. 

GOMES, Paulo Emilio Sales. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

GUIMARAES, Antônio Sergio. A modernidade negra. Teoria & pesquisa. São Carlos: UfsCar, Jan./ Junho 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. Identidade cultural e diáspora. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília: IPHAN - MIC, n. 24, p. 68-75, 1996.

HALL, Stuart. Identidade cultural e diáspora. In Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Nº 24, IPHAN, 1996.    

HOOKS, bell. Olhares negros: raça e representação, São Paulo, Elefante, 2019.

HANCHARD, Michael George. Orfeu e o poder – movimento negro no Rio e em São Paulo, Rio de Janeiro, UERJ, 2001.

LIV, Solvik. (org.) Da diáspora: identidades e mediações culturais/ Stuart Hall. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2003.

LOPES, Nei. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. São Paulo, Selo Negro, 2004.

MINTZ, Sidney W & PRICE, Richard. O nascimento da cultura afro-americana - uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro, Selo Negro, 2003.

MÜLLER, Ricardo Gaspar (org.). Dionysos: Teatro Experimental do Negro, Brasília, MinC/ FUNDACEN.

NASCIMENTO, Abdias. O negro revoltado. Rio de Janeiro: GRD, 1968.

NEVES, David. O cinema de assunto e autor negros no Brasil. In: Cadernos Brasileiros: 80 anos de abolição. Rio de Janeiro, Editora Cadernos Brasileiros, ano 10, n.47, 1968.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

PÉCAULT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

RAMOS, Fernão; SHEILA, SCHVARZMAN. (Org.) Nova história do cinema brasileiro I e II. São Paulo, Ed. SESC, 2018.

RAMOS, Fernão (Org.). Teoria contemporânea do cinema: documentário e narratividade ficcional. São Paulo, Senac, 2005.

RAMOS, José Mário Ortiz . Cinema, Estado e lutas culturais (anos 50, 60, 70). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. São Paulo: Record, 2000.

RODRIGUES, João Carlos. O negro brasileiro e o cinema. Rio de Janeiro, Pallas, 2001.

SANSONE, Livia. Negritude sem etnicidade. Bahia, Edufba, 2004.

SENNA, Orlando. Preto-e-branco ou colorido: o negro e o cinema brasileiro. In: Revista de Cultura Vozes, ano 73, v. LXXIII, n. 3, 1979. p. 211-26.

TOLEDO, Caio Navarro de. ISEB: fábrica de ideologias. São Paulo: Ática, 1977.

OLIVEIRA, Janaina. Kbela” e “Cinzas”: o cinema negro no feminino do “Dogma Feijoada” aos dias de hoje. Janaína Oliveira IFRJ / FICINE, Brasil.

RAMOS, Guerreiro, Intrdução critica a sociologia brasileira. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ, 1995.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade. Salvador, EDUFBA, 2004.

STAM, Robert. Multiculturalismo tropical: uma história comparativa da raça na cultura e no cinema brasileiros. São Paulo, Edusp, 2008.

STAM, Robert; SHOHAT, Ella. Crítica da imagem eurocêntrica – multiculturalismo e representação, São Paulo, Cosacnayfy, 2008.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose - antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1994.

VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1959.

VIEIRA, João Luiz. "A chanchada e o cinema carioca (1930-1955)". In: RAMOS, Fernão (org.) História do cinema brasileiro. São Paulo, Art. Editora, 1990.

XAVIER, Ismail. Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Conteúdo

  1. Discursos sobre o negro na cultura brasileira;
  2. Discursos do negro na cultura brasileira;
  3. O período silencioso
  4. A ideologia nacionalista e o cinema dos estúdios;
  5. O cinema novo e o cinema negro;
  6. Cultura negra e o cinema negro;
  7. Modulações do cinema negro;

Metodologia

1) Serão ministradas quinze aulas expositivas a partir dos textos e filmes selecionados. 2) Em cada aula haverá um ou mais seminários ministrados pelos alunos.  3) Os discentes serão avaliados pelo desempenho nos seminários, frequência e trabalho escrito. 

 

Observação