Fotografia em quatro atos

Tendo como foco principal a Teoria da Formatividade elaborada por Luigi Pareyson, esta pesquisa se sustenta no fazer poético.

Realizada na linha de pesquisa de processos criativos, contempla quatro capítulos cujo discurso versa sobre as relações entre o processo de produção do trabalho e a elaboração de textos acadêmicos ensaísticos.

O trabalho cria narrativas improváveis sobre a imagem e o seu modo de produção para cada série fotográfica apresentada nos capítulos, mesclando teoria e prática.

Esta tese deve ser compreendida como uma obra em sua totalidade, pois cada ponto de reflexão obedeceu à singularidade das séries fotográficas executadas e, do mesmo modo, cada série fotográfica era amparada pelas ponderações realizadas por todos os teóricos que compõem as argumentações aqui presentes.

Fundem-se texto e imagem para realçar o caráter imaginativo, próprio da criação artística.

 

Artista: Fábio Gatti – email: gatti_f (arroba) yahoo (ponto) com (ponto) br

Orientação: Prof. Dr. Fernando Cury de Tacca

 

 

A exposição conta com as seguintes séries: Fotografias Apagadas, Fotografias Costuradas, Fotografias Gravadas e Caderno Meu Cu.

Na primeira série podem ser vistas imagens quase totalmente brancas, sem a necessária presença de um signo de reconhecimento, discutindo sobre a visualidade e o uso do sistema em favor de um procedimento poético.

Na segunda série as fotografias são costuradas à máquina de costura, todas são pequenas, com 10x15cm de tamanho.

As fotografias gravadas são negativos de médio formato que receberam a interferência do desenho e são expostas em caixas de luz; alguns negativos são velados e outros virgens o que confere uma diferença na coloração do material.

A última série trata de um caderno feito quase como um diário, donde brotam discussões sobre o corpo, a imagem, a religiosidade e a escatologia. Não se deve esperar nada convencional ao falar desta exposição fotográfica, pois os trabalhos apresentados extrapolam esta dimensão conservadora e se inscrevem na livre experimentação, brincando com a fotografia como ampliação e com seus dispositvos dentro do fotográfico.